A SALVAÇÃO É PELA MISERICÓRDIA OU MERECIMENTO?

A SALVAÇÃO É PELA MISERICÓRDIA OU MERECIMENTO?

            Antes de iniciarmos o nosso estudo vamos buscar o significado da palavra chave da nossa meditação: 

MISERICÓRDIA: Bondade, amor, graça de Deus para com o homem, manifestos no perdão, na proteção, no auxílio, no atendimento a súplicas. A disposição de Deus que se manifestou desde a criação, e o acompanhará até o final dos tempos. Virtude pela qual o cristão é bondoso para com os necessitados (Mateus 5.7 e Tiago 2.13), caridade, amor ao próximo.

No livro de Lamentações de Jeremias 3.22 e 23 a palavra declara a imensurável misericórdia de Deus com o seu povo, observem: As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se a cada manhã, grande é a tua fidelidade. 

            A palavra de Deus na carta a Tito 3.4 e 5, relata que: Quando apareceu a benignidade e caridade de Deus, nosso Salvador, para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo. 

            Essa mensagem evidencia que recebemos a oferta da salvação, não porque fôssemos merecedores por alguma obra que havíamos feito, mas pela misericórdia do Senhor, porque com a queda do homem no Éden, tornamo-nos inimigos naturais de Deus, o que foi ratificado pelo Senhor Jesus no Evangelho de João 15.13, dizendo:

Ninguém tem maior amor do que este: De dar alguém a sua vida pelos seus amigos. E na carta aos Romanos 5.7 e 8 a palavra afirma que poderá ser que por um justo, pelo bom alguém ouse morrer, mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

            Esta é a grande misericórdia de Deus, estando o homem morto no pecado pela insubordinação, o Senhor Deus prova o seu amor essa ínfima criatura, não hesitou oferecer o seu próprio filho   para salvação daquele que se tornou seu inimigo, ainda que  para isso houvesse derramamento de sangue.

 Porem, essa demonstração do amor de Deus ao homem,  não assegura absolutamente que Ele irá tolerar o crente na prática do pecado, porque temos apercebido pregações indutivas de alguns líderes, anunciando um Evangelho fácil e sem compromisso com a verdade, sem participação das aflições de Cristo, fazendo os seu fieis crerem que a certeza da salvação está na fidelidade dos dízimos e ofertas.

            No entanto, Jesus disse: Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem (Mateus 7.13 e 14). 

            Não nos resta dúvida que a salvação é por graça, mas a porta é estreita e o caminho apertado, por isso é necessário esforço, não pensando que o esforço traz “merecimento”, mas, o esforço para que mantenhamos viva a glória de Deus em nós por causa do corpo de corrupção que milita contra o Espírito Santo. Se não houver esforço, dedicação e vigilância, seremos tragados pela devassidão do  mundo.

E os homens santos de Deus viveram nesse caminho apertado, deixaram-nos exemplos, porque levaram em seus corpos oresto das aflições de Cristo, vejamos:

Na segunda carta aos Coríntios 1:5 o apóstolo Paulo declarou: Porque, como as aflições de Cristo são abundantes em nós, assim também a nossa consolação sobeja por meio de Cristo. E na carta aos Colossenses 1.24, disse: Regozijo-me, agora, no que padeço por vós e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja. O que foi confirmado na primeira universal do aposto Pedro 4.13, o qual relata: Alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis.

            Entretanto, na atual circunstância, os pregadores expressam o regozijo do paraíso aqui na terra mesmo, querem deixar espaçosa a porta que o Senhor Jesus declarou ser estreita. Não anunciam a verdadeira doutrina, não impulsionam o povo na busca ao arrependimento, e a conversão. 

Entraram num consenso que para alcançar a eternidade, não há necessidade de uma transformação de vida, de renúncia das coisas deste mundo e de buscar um novo nascimento pela aspersão do sangue do Senhor Jesus. Então qual o sentido da exortação do Senhor sobre o passar pela porta estreita?

Há um confronto da palavra desses pregadores em analogia ao Evangelho do Senhor Jesus, pois Ele mesmo  disse: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.

Negar a si mesmo é fazer a sua parte, e muitos dirigentes de igrejas estão dispensando aos irmãos de levarem a sua cruz.Negar a si mesmo é ser desprovido de todo sentimento faccioso como a inveja, vaidade, ciúmes, avareza, soberba, concupiscência da carne, lascívia, ira, desejo de vingança, vícios e outros anseios abomináveis ao Senhor.

Negar a si mesmo é oferecer o outro lado da face, é perdoar e amar os vossos inimigos, bendizer os que vos maldizem, fazer bem aos que vos odeiam e orar pelos que vos maltratam e vos perseguem.  Ter a mesma humildade de Cristo, andar em santidade como “Ele” andou, guardando os seus mandamentos e fazendo a sua vontade para herdarmos a eternidade.

A pregação da salvação pela misericórdia de Deus sem que nos esforçássemos para isso, é o fundamento da teoria dasalvação predestinada (da qual não vamos aprofundar no mérito) e nesse caso, todo sacrifício do Senhor Jesus na cruz do Calvário para salvar o homem que estava morto na maldição do pecado, passaria a ser em vão. 

No Evangelho de João 3.16, Jesus declarou a amplitude do seu sacrifício, observem: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê,  não pereça, mas tenha a vida eterna.

O Senhor assegurou que ninguém nasce predestinado a justificação ou a reprovação. Ele se entregou em sacrifício parasalvar todo aquele que nele crê, porque a salvação não virá por imposição do Senhor, ela é oferecida, e de graça pela aspersão do sangue do Cordeiro de Deus, e para isso, como o próprio Jesus declarou, é necessário primeiramente crer no seu nome como Senhor e Salvador da sua vida, guardar os seus mandamentos, obedecer  a sua palavra, permanecer na sua verdade, perseverar na sã doutrina que o Senhor nos deixou.

A palavra exorta para que andamos na luz e não tropeçamos nas obras da carne as quais são trevas.  É indispensável na vida do crente praticar e viver as obras do Espírito, porque fomos chamados à liberdade, e não podemos usar da liberdade para dar ocasião à carne, mas servir uns aos outros pela caridade.  Porque se já morremos com Cristo, cremos que também com Ele viveremos; e não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado, mas apresentai-vos a Deus, como instrumentos de justiça.

            Mas infelizmente, muitos têm sido ludibriados e sucumbidos por não conhecerem as escrituras e nem o poder de Deus, pois querem apenas uma vida física e material farta, isentos da preocupação com a vida espiritual e desprovidos do interesse na busca a perfeição e a santificação para herdar a vida eterna.  E a palavra de Deus adverte que: Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens (I Coríntios 15.19).

            Louvai ao Senhor!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Apresentação

Apresentação do site

Quem Somos