A LINGUA QUE CONTAMINA

“A língua é um pequeno membro e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia. A língua também é um fogo, como mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno”. Tiago 3.5-12

Mais uma vez, estamos diante de um texto que, assim como acontece com qualquer outro escrito da palavra de Deus, precisamos do auxilio do Senhor, através do seu Espírito Santo que em nós habita, para nos esclarecer sobre as coisas espirituais, não permitindo que vislumbremos sua verdade tão somente com os nossos olhos carnais, e sim, tenhamos os olhos do nosso entendimento iluminados, por aquele que conhece todas as coisas.

Tentando interpretar o que está registrado nos versículos acima, alguém até, poderia perguntar: mas não foi Deus quem fez a língua e a pôs entre os nossos membros? Como algo que o próprio Criador nos deu, pode ser comparado, a um mundo de iniquidade? 

A palavra língua aqui, não está se referindo tão somente ao órgão localizado na boca, cuja função é nos ajudar no processo de digestão dos alimentos, proporcionar o paladar e auxiliar na fala. O entendimento desta palavra, dentro deste texto bíblico, é muito mais profundo que isto; e está intimamente ligado à própria natureza pecaminosa do ser humano.

Diz a bíblia que toda natureza, tanto de bestas feras como de aves, repteis, animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana, mas nenhum homem pode domar a língua, pois é um mal que não se pode refrear, está cheia de peçonha mortal. Ler Tiago 3: 7-8.

Certa vez Jesus afirmou que o que a boca fala, procede do coração e que desta forma contamina o homem. Isto nos faz compreender, que a língua, por si só, não possui mal algum, pelo contrário, podemos usá-la, para bendizer ao Deus que nos fez, e com ela também, confessarmos a Jesus Cristo diante dos homens, a fim de que no tempo devido, o filho nos confesse diante do Pai.

Mas para que isto aconteça, todo o nosso ser deve ser santificado ao Senhor, e não somente a língua, mas todo o corpo, alma e espírito, devem estar debaixo do Senhorio de Cristo, uma vez que, sem ele nada podemos, “porque nele vivemos; e nos movemos; e existimos…”. Atos 17: 28a .

Quando alguém entende essa verdade, e se entrega, sem nenhuma reserva ao Senhor Jesus, o qual é sobre todos, e por todos e em todos; manifestará naturalmente o fruto do Espírito Santo, e juntamente com ele, a temperança, que é a virtude dada por Deus aos seus filhos, para que tenham a capacidade de moderar os seus desejos pecaminosos e as paixões carnais, inclusive, a maledicência, que é o ato de falar coisas más das pessoas.

Como pode ser que, de uma mesma boca, proceda, bênção e maldição? Se alguém acredita que isto é possível, vejamos o que Tiago, servo de Deus e do nosso Senhor Jesus Cristo, escreveu às doze tribos que andavam dispersas: “Se alguém cuida ser religioso e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração e a religião desses é vã”. Tiago 1: 26.  

O homem maledicente, ainda não se despiu do velho homem, mas permanece com os seus feitos, e se corrompe a cada dia pela concupiscência do engano. Já o nascido de Deus sabe muito bem o poder destruidor da língua maliciosa; reconhece que seu veneno é mortal; por isso, por amor e temor ao Justo Juiz, guarda a sua língua do mal.

Aquele que é de Deus; clama ao Pai, da mesma forma que o salmista um dia fez: “Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; guarda a porta dos meus lábios”. Salmo 141: 3.

Quando a bíblia diz que nenhum homem é capaz de refrear a sua língua, não está abrindo precedentes para pecarmos através dela, alegando que a própria palavra nos ampara com relação à nossa incapacidade de domar a língua. Isto me faz até lembrar, das palavras de um alcóolatra que ouvi, há muitos anos atrás; disse assim: “ora, se Jesus que é Jesus, tomou vinho na festa de casamento, por que eu não posso beber?”.

Na verdade, este tipo de informação, que a bíblia no dá, nada mais é do que um alerta, para que estejamos cientes, de que em nenhuma hipótese devemos confiar em nós mesmos, pois não é só a nossa língua que é difícil de dominarmos, mas toda a nossa carne, se esta ainda não tiver sido crucificada para o mundo.

Os ímpios dizem: “Com a nossa língua prevaleceremos; são nossos os lábios; quem é SENHOR sobre nós?”. Salmo 12: 4.

Enquanto os justos optam por dizer: “Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor”. Salmo 51: 15.

Louvai ao Senhor!

www.cristoeaverdade.net - 2020 - Web Designer by Anselmo Perroni
Apresentação

Apresentação do site

Quem Somos